Novos investimentos.

Oi,Turma! Como vocês estão? Quanto tempo que não passo por aqui,mas o que gosto daqui é justamente isso: não importa por quanto tempo eu deixe de vir,sempre me sinto em casa. <3>
Quem acompanha o blog desde o início,vai reconhecer o texto abaixo-ou não-.Estou (re)postando,pois quando o li novamente esses dias...Fiquei com orgulho de mim mesma,pois eu,com as minhas próprias antigas palavras,consegui sair de uma situação que me encontrava. 
E finalmente entendi que: Se você faz algo com amor e espontaneidade e,durante a caminhada não entender nenhum passo que dá,no final tudo se explica.
Bom fim de semana!

Link original da postagem para os que se interessaram: http://seilaasvezesirrita.blogspot.com.br/2010/12/acoes-regulares-e-altos-investimentos.html
Mais informações »

Quem não tem sonhos?


Oi,Galerinha!
       Meu plano era começar colocando logo o post...Mas,preciso contar para vocês a SAGA que foi para conseguir essa proeza,vamos lá:
Como todos sabem - ou não- não entro aqui faz muito tempo,assim como o orkut saiu de moda não sei se o blogspot também saiu...Mas,isto não é importante pra mim,afinal isso aqui sempre cairá bem para mim,de fato sempre foi o meu refúgio.O lugar onde posso juntar as palavras,formar frases,textos que não fazem nenhum nexo pra ninguém,mas muito sentido para mim.
 Fato é que está tudo muito diferente e moderno por aqui,demorei alguns longos minutos para conseguir achar o botãozinho de postagem! Hahahaha Fui persistente,pois queria muito aliviar o que estou sentindo.
Como diria Fernando Pessoa ‘’Escrevo o que sinto para aliviar a febre de sentir”,ou ele diz algo muito parecido com isso! Rs Enfim,daqui a pouco isso fica maior que o post.
Beijo,espero que gostem.


 
I. Quem não tem sonhos?
Alguns os deixam transbordar,outros preferem reprimí-los para não chorar,mas todos têm.Acredito que os sonhos movem a vida,como se esta fosse um carro e aqueles o combustível,no entanto quando os sonhos ao invés de impulsionar a vida,passam por cima da própria realidade se faz necessário pensar: Estou colocando combustível no meu ‘’carro’’ ou atirando fogo em mim mesmo?


Ela sempre sonhou demais,sua melhor amiga era sua imaginação,nesta ela encontrava tudo que precisa: alegria,amigos de verdade,amores eternos e gargalhadas.No entanto,um dia ela percebeu que tudo aquilo era falso e que uma vida boa apenas na sua cabeça,não era o suficiente.Então,decidiu correr atrás de dar vida à sua imaginação,foi quando percebeu que nem todos os sonhos se tornam realidade e,quando a vida fechava uma porta,ela tinha vontade de desistir e voltar para a sua imaginação,lá todas as portas eram abertas e todas as janelas ventiladas.Porém,ela sabia que devia isso aos seus sonhos...Devia isso a si mesmo.

Entendeu que quanto mais a vida lhe negava,era para ver o quanto ela realmente queria.Percebeu que quanto mais portas encontrasse fechada,mais forte ficaria para derrubar a próxima-se assim fosse necessário- e entendeu,mais uma vez,que essa força só é adquirida através de tentativas.Colocar os pés no chão,a cabeça erguida para os céus e os olhos mirados no horizonte é a única chance de pintar o quadro dos sonhos.Tal pintura seria a maior obra prima da sua vida,disto ela sabia.Portando,recorreu ao Da Vinci que existia dentro dela,colocava o seu avental,pegava os baldes de tinta,se sujava e adorava a sujeira que a corrida pelos sonhos trazia.Até que um dia....

Ela conseguiu.Assim.Simplesmente isso.Não foi algo que veio fácil e,talvez por isto,foi tão comemorado.Ela conseguiu colorir o quadro da sua vida com todos os pincéis adquiridos na jornada,assistiu de camarote os seus sonhos virarem realidade,sorriu com uma pintinha de tinta na bochecha,mas esta,ela sabia,era a marca da sua vitória.Por fim,sua imaginação ganhou espaço na sua vida real,mas nunca deixou de trabalhar.Afinal,ela tinha mais sonhos...Claro que tinha! E todos os dias,pela manhã,levantava as mangas do avental e corria atrás de mais uma obra prima.

 *Aviso: Sonhar na cama e sonhar na vida tem significados diferentes.O primeiro,você pode ficar deitada(o) esperando e ele irá acontecer,o segundo não adiantará deitar e olhar ele passar: quando tiver um sonho,levante-se e corra atrás da sua concretização.

 
                           With Love,Nath.

Mais informações »

Sobre visitas e possibilidades.


Sobre visitas e possibilidades.
                                     
Acredito que todos nós temos um “E se...” em nossas vidas,uma curiosa quase que suicida de saber como tudo teria sido se tivéssemos trilhado outros caminhos.Caminhos menos perigosos e misteriosos,como as coisas teriam sido se tivéssemos escolhido o imprevisível.Em certos momentos a vida é como um programa de televisão.Aquela parte do programa em que você coloca fones no ouvido,não ouve absolutamente nada,e o apresentador começa a te oferecer centenas de coisas e você só pode falar “Sim ou não”.Se você for como eu,insegura o bastante para não se aventurar em um caminho desconhecido,você ficará muda.Não arriscará perder nada.

No entanto,temos que perceber que quando resolvemos deixar as coisas como estão,não perder nada...Acabamos por deixar de ganhar coisas também.Não quero que me julguem por nada,não quero ser julgada por decidir trancar a porta do meu coração com mil trancas a mais,afinal só eu sei como é ter a porta ‘’arrombada’’ e nunca mais conseguir a chave de volta,você deixa uma visita entrar e ela bagunça a sua casa toda.Depois disso,você se torna mais cuidadosa(o) ao deixar alguém entrar: “Olhe o jardim,mas não ouse passar disso”,é um instinto de proteção e,inevitavelmente,de reclusão.

Proponho um dia que acabe com todos os ‘’E se...’’,um dia em que tudo será possível,tudo menos o medo.O medo de não tentar,o medo de não conseguir e,principalmente,o medo de sair do lugar de conforto.Depois desse dia,o seu mundo pode estar de pernas para o ar e,talvez,você se arrependa...E,eu não sei pra você,mas eu prefiro me arrepender de ter feito alguma coisa do que não ter feito e me arrepender mesmo assim.Ou,você pode ficar muito feliz ao ver o que o outro lado da ponte te reserva,você só precisa dar o primeiro passo e seguir a trilha.

Pode parecer um conselho irresponsável,porém “Se jogue!” se joga em tudo de bonito que a vida pode oferecer,e,se em alguns momentos,você não consegue enxergar a beleza na primeira vez,tente de novo,vá mais fundo.Não tenha medo de machucar o seu coração,manter a porta fechada e não sentir nada pode ser pior do que sentir alguma coisa.Se não der certo,você sabe muito bem como consertar a porta e conservar a casa para quando outra visita chegar.Pois,sempre existem outras visitas esperando para conhecer a linda casa que você tem aí dentro.

Ps: Só não bagunce demais.

Mais informações »

Índios.

PS: Não sei ao certo o que irei escrever,no entanto um fragmento da música ''Índios'',da legendária ''Legião Urbana'',me motivou a escrever e cá estou,sem saber que palavras irá sair ou se alguma coisa irá sair.Sou amante das letras e estou sempre á disposição,veremos o que virá a seguir.


Quem me dera ao menos uma vez...Que o mais simples fosse visto como o mais importante.

Em 1986 Renato Russo já havia percebido isso,em 2011 eu percebi isso(antes tarde do que nunca,leitor!) e quantos anos terão de se passar para o resto da humanidade perceber tamanha verdade?É mesmo necessário perder para sentir falta? Obvio que não! Desde crianças, aprendemos que as coisas não funcionam assim.Quando a mamãe fala para não colocar a mão no fogão,não colocamos,apesar de,muitas vezes,não sabermos ao certo o que aconteceria caso colocássemos.Será que,quanto mais a humanidade cresce em idade,retrocede em amadurecimento? Precisamos queimar a mão,errar para saber o que é certo? Não!

Sou a favor das experiências,no entanto acredito que podemos olhar o erro do outro e aprender com o mesmo,aprender com o erro alheio e fazer certo na nossa própria vida.A simplicidade é a vantagem mais rica que a vida nos dá.Sentir o balanço do mar nos nossos pés e valorizar essa sensação,sem precisar perder a sensibilidade dos membros inferior para tal.Apreciar o simples fato de acordarmos no dia seguinte,entender que o dia não pode ser diferente se as nossas atitudes são iguais.Sorrir para o mundo e convidar a felicidade para habitar em nós,ninguém é feliz o tempo todo,mas sempre é tempo de ser feliz.

Mais informações »

Em segredo de Justiça.

''E todo mundo diz que ele completa ela
E vice-versa, que nem feijão com arroz...''

Anna tinha 27 anos e um diploma de graduação em Direito que revela muito mais do que a sua opção profissional,ser advogada ultrapassou as fronteiras do escritório e acabou entrando no coração de Anna.Era do tipo de pessoas que se afastava de qualquer relacionamento que a fizesse perder o controle da situação,ela gostava de se comportar com uma juíza de seus próprios relacionamentos: analisava o caso friamente e declarava o ''sortudo'' da vez como culpado ou absolvido...Enquanto todas as meninas procuravam um homem que a fizessem ter vontade de subir os pézinhos durante um beijo,ou fazer surgir borboletas no estômago,tudo isso,para Anna,era sinal de perigo e ela sempre dava um jeito de cair fora antes que tudo ficasse sentimental demais.Mas....

Um dia Anna acordou assustada,apertando as unhas com força contra o travesseiro e olhando em volta do quarto,ela havia tido um sonho tão bonito,mas tão bonito que doeu tanto ver que era só sonho...

Tinha esse garoto,Adam,seu melhor amigo desde os 15 anos.Eles nunca mais se viram,seguiram caminhos diferentes,ele resolveu se dedicar à medicina,a única relação que eles tinham era totalmente indireta: as pessoas que ele salvava,às vezes,faziam besteiras na vida e Anna os julgava.Fora isso,nenhum contato.Há 12 anos,se alguém dissesse a eles,que eles estariam nessa situação,eles iriam rir de tamanha incredulidade,afinal eles sempre estavam juntos.No sonho,ele estava em um aeroporto esperando alguém,ela não sabia ao certo quem era,mas seu coração lhe dizia que ela esperava alguém que ia fazer valer a pena todas as batidas entre os dentes,devido ao frio.E ele apareceu,com o cabelo bagunçado,sua correntinha da adolescência e umas 2 malas a tira colo,Anna colocou a mão no coração,como se dissesse ''Você tem razão valeu a pena as batidas de dentes...'' e o coração deu batidas cada vez mais irregulares e fortes,em resposta.Tudo bem ter um ataque do coração,tinha um médico bem ali.

-Anna,você está linda! Quantas saudades...-dito disso,ele largou todas as malas e a abraçou.

Seu abraço era quente,confortante e desejou poder montar uma cabaninha ali e viver pra sempre em seus braços.-Por que? Por que nos separamos? Você nunca veio me procurar? Nós eramos partes complementares um do outro,eu me senti tão incompleta todo esse tempo.

Na hora que ele ia responder,Anna acordou.Sentindo-se abandonada pela segunda vez,dessa vez em sonho.Colocando um band-aid e pensando ser a única pessoa que conseguia ser abandonada até em sonho,saiu para o trabalho.

-Você não olha por onde anda?-disse ela,abaixando para pegar os relatórios que um rapaz desastrado havia deixado cair.

-Desculpa,é que você veio tão apressada que não deu tempo de desv...Espere!-sussurrou ele,levando seu queixo com as mãos.-Eu acho que conheço você.

Anna revirou os olhos,não mostrando nenhuma paciência para cantadinhas baratas.O que viria depois? um ''Você vem sempre aqui'',talvez? ela resolveu encara-lo e,olhando em seus olhos azuis oceano,sentiu que já havia mergulhado naquele mar.Era estranhamente e lindamente familiar.

-Thomas?-questionou ela,chamando o homem pelo apelido que ela e o seu melhor amiga costumavam se chamar,minutos depois se sentiu completamente tola.

-Vada?-ele respondeu de volta,com um enorme sorriso.

Vada e Thomas eram os personagens do filme ''Meu primeiro amor'',filme preferido de ambos na época do colégio,decidiram se chamar dessa forma,afinal ele era o primeiro amor dela.E,aos 27 anos,se deu conta de que ele havia sido o único também.

Eles conversaram sobre tudo que havia acontecido e sobre tudo que poderia ter vindo a acontecer,enquanto sentia o carinho das mãos de Adam em seus cabelos,Anna resolveu questiona-lo a respeito da pergunta de seu sonho:

-Por que você nunca veio me procurar? Por que nos separamos?-disse ela,com um leve um de desespero.

-Não sei bem ao certo,não tivemos uma briga ou nada assim...Foi uma separação natural,vai ver foi o destino.

-''Destino'' é a resposta que todo mundo usa quando não sabe a resposta de alguma coisa?-disse ela,em tom brincalhão.

-É a minha resposta,pelo menos!-respondeu ele,dando e provocando risadas-Mas,eu realmente acho isso e acho mais: Acho que o destino viu a besteira que estava fazendo e resolveu colocar você no meu caminho novamente.

-Dessa vez,nada vai me fazer sair desse caminho.

E assim eles ficaram.Os dias que se seguiram foram os mais brilhantes da vida de Anna,ela finalmente percebeu que em uma relação não é possível uma pessoa se comportar como juíza e sempre bater o martelo quando lhe convém ou dar pena de morte para qualquer cara que não te liga no dia seguinte.Percebeu também que não adiantava ficar remando contra a maré do amor,esperando que,conforme o evitasse,ele sumiria.Não é assim.O amor é o barco mais forte e insistente que ela conhecia,quanto mais forte fica a maré contra ele,mais ele quer navegas nesse mar,então ela resolveu deixar as coisas serem....Depois de 12 anos,encontrou o único amor da sua vida.Oras! Isso deveria significar alguma coisa,significar que tudo que tem de ficar,fica e tudo que tem de voltar,volta.Não entendia completamente o tipo de jogo que o destino queria brincar com eles,no entanto,ela percebeu que a vida havia feito com que eles se tornassem não só peças do ''Jogo da vida'',mas também jogadores principais.

Depois de um dia trabalho,observando seus colegas de trabalho sempre tão frios e hesitantes quando o assunto era amor,como ela era,ela voltava para a casa e percebia que Adam era o único parceiro que ela não se importava em perder o controle,talvez o motivo de tudo não seja ter sempre que controlar e remar o barco,o propósito real é ter alguém para dividir a embarcação.Alguém que esteja no mesmo barco que você,que reme junto...Certo dia,enquanto sentia Adam enrolar seus cabelos nos dedos,ela comentou:

-Eu estou sentindo tanta felicidade,mas tanta...Acho que posso morrer disso.-disse ela,tentando expressar em palavras o que sentia para o amado.

-Morrer de felicidade? Vamos sobreviver juntos,então...E viver felizes para sempre.

Anna,normalmente,teria tacado um pouco de realidade nisso tudo.Porém,ela percebeu que todo mundo precisa de um pouquinho de conto de fadas.



Mais informações »

O dia em que Fernanda resolveu voar.



Todos os dias Fernanda acordava do mesmo jeito: saltitando de felicidade,abrindo as janelas e sorrindo para o sol(ou para a chuva,que seja! O importante era sorrir.)Enfim,a versão feminina de Charlie B.Jr em ''Hoje eu acordei feliz..''. No entanto,teve um dia....

Em que Fernanda acordou,colocou os pés em seu tapetinho roxo –ela o adorava,fora feito pela sua avó -,esticou os braços para trás e levantou.Sentindo um peso além dos seus 65 kilos destribuidos em 1,78 cm de altura(Uma modelo!),moveu os ombros para frente e para trás,prestes a deslocá-los,e nada aconteceu.
E foi assim o dia inteiro.Nada acontecia.

No outro dia,Fernanda pensou,pensou e pensou no que poderia estar ocasionando tamanha dor ao acordar
‘’Vai ver,foi porque não saltitei...’’-pensou ela.
Então,preparou os dois pés em frente da cama e começou a tentar pular,na primeira tentativa,mal saiu do chão e caiu em cima do tapetinho roxo,torceu o pé.Gritou todos os palavrões que conhecia e inventou outros milhares.
‘’Maldito tapetinho roxo! Roxo???? Por que ROXO? Meu quarto é branco e vermelho,vovó!! Por que me dar um tapetinho ROXO? E ele tem pelinhos que soltam pelo quarto e contribuiem para eu cair quando chego em casa bebada de madrugada.Porque,SIM VOVÓ...EU BEBO! E HÁÁÁ eu chego de madrugada”-berrou ela ao telefone com a avó e jogou o tapetinho roxo debaixo da cama.
Se o problema fosse o tapete....Tentou procurar outro problema,resolveu ir em uma pessoa em que ela SEMPRE arrumava um problema,se olhou no espelho:
-Oi...Você aí! Mancando! Olha pra mim! –encarou ela mesma no espelho por alguns segundos- você se acha bonita,é? Pra que toda essa altura? Não ganha dinheiro como modelo,então parece um perna de pau...E quando você coloca salto alto? UM TRAVECO HAHAHAHÁ
Ignorando os ‘’elogios’’ feitos a si mesma em frente ao espelho,ela foi mancando arrumar sua roupa para o trabalho,o mesmo trabalho de sempre...Chegava lá e esperava dar a hora do almoço,desceria e comeria em um restaurante na esquina do trabalho,olharia os casais na rua –pediria para Deus um homem para dar as mãos,fazia o sinal do crucifixo e diria ''Amém'' - voltaria para o trabalho,pegaria o trem cheio e sentiria o cheiro das axilas alheias,chegaria em casa...Assistiria a novela das oito que começa às nove,pensaria que a maioria dos atores estariam assistindo a uma peça no teatro do Leblon,iria dormir e no outro dia fazer tudo de novo.Então,percebeu que o problema não era a sua altura e,muito menos,o tapetinho fofo e roxo da vovó,era a:rotina.
Rotina.

6 letras,três vogais,três consoantes e um problema sério para Fernanda.

Rotina traz consigo: Sorrisos programados,nada de inesperado,abraços regulados e desespero dobrado.Por isso,aconselho: Aventure-se,esqueça as entrevistas do programa do jô de pessoas bem sucedidas falando o quanto arriscaram o emprego para correr atrás de ser feliz e: arrisque você mesmo,seja feliz você mesmo.Afinal,não é isso que a gente quer? Surpresas gostosas,beijos
inesperados,cineminha no feriado...Queremos ser feliz e rotina nunca foi sinônimo de felicidade para Fernanda,por que viver o mesmo dia várias vezes? Por que não se permitir coisas diferentes? Por que não ouvir Lulu Santos quando disse “E não há tempo que volte,amor..Vamos viver tudo que há pra viver,vamos se permitir”, Por que?,Por que?
Talvez o motivo tão procurado esteja na capacidade inútil e desprezível do ser humano de,depois de um tempo,se acomodar...Acomodar-se no que está ruim,no que está bom e,pior ainda,no que está (quase) bom,desde quando quase levou alguém a algum lugar? O medo de correr risco,o medo de perder...Te leva a perder muito mais.
Bem,quando lembrei que estava narrando a história de Fernanda: percebi que perdi ela de vista.Sumiu,olhei para os céus,pedi a Deu....LÁ VI FERNANDA! No céu!

Não,Fernanda não morreu.

Fernanda resolveu lutar contra o pé que insistia em mancar e realizar o sonho de se sentir um passarinho,obviamente com um instrutor e equipamentos,afinal: Fernanda decidiu ser livre,não burra.Não adiantava pular do prédio e achar que ia voar,pra arriscar é preciso estar vivo! E não ter medo de voar é a raiz das asas que,futuramente,te farão levantar muitos voos.
Fernanda se sentiu como nunca pensou que iria se sentir,teve pena de todos os pássaros presos na gaiola,com asas totolmente perfeitas e sem poder sem usadas,mas sentiu mais pena ainda daqueles que estão presos em um lugar que deveria servir...De aconchego.Daqueles que estão presos dentro de si mesmo,não conseguem voar(metaforicamente falando) pra fora de si mesmo e olhar o mundo
como algo totalmente possível e só veem pedras no caminho que os fazem pensar que: Quanto mais alto o voo,mais machucados ficaram,pelas pedras,quando caírem.Gente! Peguem essas pedras e,pra não ser muito Fernando Pessoa e falar pra construir o castelo,joguem para marcar o jogo de amarelinha(Se você não jogava amarelinha,desenhada no chão e usava a pedrinha pra evitar a casa em que ela está...Você não sabe o que está perdendo,desenhe ai e brinque) Fernanda sempre gostou de pensar na sua vida como um jogo de amarelhinha,isso mesmo...E agora,ela havia chegado ao céu,literalmente.
“Vó,me desculpe...O tapete é lindo e eu adoraria que você fizesse mais e me mandasse! Mas,meu quarto é vermelho,então...Poderia ter um vermelho?! E eu nem gosto tanto de perder,de verdade,beber muito faz com que eu me perca de mim e...Posso falar,vó? Eu tô querendo muito me encontrar.Acabei de voltar do céu! Quero voar cada vez mais alto,superei o obstacúlo do meu pé torcido,não dava mesmo pra fazer um passeio muido bom pela terra com ele,então resolvi tentar o céu.Beijo’’-disse Fernanda,na secretária eletrônica de sua vó,dois dias depois recebeu uma encomenda com vários conjuntos de tapetes,colocou no centro do quarto.

Depois de se desculpar com a segunda mãe,resolveu se desculpar com alguém que não largava ela de jeito nenhum e que ela andava tratando muito mal,foi até o espelho:
’’Olha,eu sei...Você estava nervosa.Mas,eu queria que você soubesse que: Você não parece um traveco,a Gisele Bündchen,talvez,mas um traveco? Jamais?! Pra você não se esquecer..-colocou o papel de post it no espelho dizendo:
“Você é linda.Linda pra caralho.’’
Olhou por alguns segundos aquele recado,se chamou de egocêntrica mentalmente e depois pensou em voz alta:
-Quer saber? Alguém tem que falar isso pra mim e cansei de esperar o bofe certo,vou deixar aqui,vou falar pra mim e,se eu quiser,vou ME mandar flores e ME ligar no dia seguinte.

Ela sentiu que poderia andar de salto sem parecer um traveco,mas,naquele final de tarde,resolveu andar descalça na areia.Tentou,com todas as forças,manter a pose de comercial da Sundow,mas o pé mancando deixava o ar um pouco menos elegante.
Olhando para o mar,percebeu que as ondas ficavam bem furiosas às vezes,ultrapassava os limites e chegava até a areia,riu mentalmente lembrando de algum banhista correndo do seu transe praiano e lembrando de pegar as suas coisas jogadas na areia,e quase chorou ao pensar no castelinho de uma criança sendo levado pela onda,mas as ondas sabem deixar a gente pegar jacaré,mergulhar,fazer a paisagem ficar mais bonita...Fernanda,então,se autodenominiou uma ‘’onda’’ que tem seus tempos bons,seus tempos ruins..E,nestes,meu querido: Ela virava um grande tsunami.
Mas,de hoje em diante tudo de salto alto e salto livre.



Mais informações »

Sobre a realidade...

Tenho evitado dormir,esse ato me traz sonhos ruins.Mas,o que fazer quando a sua realidade também se torna um pesadelo? Suicídio é a saída escolhida por muitos,exemplos não faltam por ai:Um estudante da 8ª série matou a tiros o diretor de sua escola no Estado da Pensilvânia (nordeste dos EUA) e depois se suicidou.
No entanto,não é necessário ir tão longe para buscar fatos como esse: Em 2011,Wellington Menezes Oliveira matou pelo menos 11 crianças de uma escola no Rio de Janeiro e cometeu suicídio logo depois.
E,aparentemente,todos eles se sentiam mais fortes ao dar esse desfecho às suas estórias e,consequentemente,a estória de vários inocentes.Mal sabiam que negar a realidade só os torna mais fracos,nesses dois casos apresentados o suicídio não é em si o mal a ser tratado,temos também o homicídio.
Enquanto existirem pessoas que se julgarem capazes de retirar a vida de outra pessoa e de si mesmo,tudo continuará assim,um ciclo vicioso e que,no fim,não importa muito quem foi o assassino ou quem foi a vítima: Falar para uma mãe que o seu filho está morto,equivale a mesma dor: para a mãe do criminoso e para a mãe da vítima.
Queria estender as minhas mãos e propôr um gesto de trégua,melhorar o mundo apenas com a minha força de vontade e torcer para que os assassinos entendam que uma arma na mão não é sinal de força,e sim sinal do quanto são fracos e precisam desse objeto para colocar à sua frente e matar cada um que sugerir expor a sua fraqueza para a sociedade.Todo esse fingimento é pago com líquidos: desde o sangue viscoso do morto até a lágrima dos entes familiares.
Não posso propôr sozinha um gesto de trégua,muito menos melhorar o mundo só com a minha força de vontade,todo esse sentimento filântrópico pode fazer bem para a alma...Mas,alma é algo que tem sua existência fora do corpo e se comunica com um mundo espiritual,para o mundo terreno e corpo físico só desejo uma coisa: Força! Seremos fortes,admitiremos nossos medos e,caso a fraqueza transparecer,a dissiparemos com a nossa força.

Ps: Ok,não é um tema que eu costumo falar muito aqui no blog.
Mas,como disse desde o início,isso aqui nada mais é que um diário virtual - que todos veem- ,então resolvi escrever sobre esse tema no meu diário.
Acabei de assistir o filme
''Salve Geral''.
É uma prova magnífica de como o cinema nacional tem capacidade de crescer,senti a realidade no filme(realidade trágica e cruel,mas não podemos melhorar a realidade apenas com diretores e câmeras.Então,mostrar como ela é fez o filme ser tão bom pra mim) e ao pensar em realidade me lembrei desse tema tão decorrente e dos exemplos ocorridos ano passado.
Enfim,gosto de filmes assim
.A vida imita a arte,mas acho muito bacana também quando a arte imita a vida.
Queria debater com vocês sobre esse assunto(homício,suicídio,realidade...): O que pensam sobre isso? :)
Um beijo.

Mais informações »

Quem sou eu

Minha foto
Carioca,leonina,amante da noite e do frio,a ''psicóloga'' de todos os seus amigo e acredita que a vida pode ser mesmo um palco,uma passarela ou qualquer coisa que tenha você no centro de tudo. Acredita em Deus,mas não no Deus de todo mundo. Acredita em anjos,mas estes estão bem aqui,na terra. Acredita em milagres e que eles vem de você. Acredita que as palavras tem poder e que o silêncio também. Acredita que se você acreditar muito em alguma coisa,todos vão acreditar e tudo pode se realizar. Todas as letras espalhadas tentando se encaixar formando palavras e estas formando um humilde texto: são de minha autoria.Não que eu acredito que alguém realmente se interesse em publica-los,mas se for fazer isso: me avise.

Populares

Nathalia A. Abreu. Tecnologia do Blogger.